Arquivo | Viagens RSS feed for this section

Quando em Roma (When in Rome) – Parte 1

18 set

DSC08112Alguns amigos recentemente me pediram algumas dicas sobre a clássica e maravilhosa cidade de Roma e aproveito para compartilhar com eles e com vocês algumas coisas que aprendi nesta última estada pela cidade, começo dizendo que para aproveitar a Itália é preciso se entregar ao seu caos, que é um caos combinado com muito vinho e pizza.

Considero estas dicas preciosas e acredito que  poderão salvar e muito seu tempo na cidade, com o euro a preço de ouro você não pode perder seu dia em filas:

Tênis:  eu entendo que você está na Itália, quer usar todos os seus sapatos, sapatilhas e sandálias mais lindas em um dos pólos da moda mundial, mas esconda este seu instinto fashion e vá de tênis. A cidade é praticamente toda de paralelepípedos e muitos monumentos e museus possuem escadarias enoooormes. Seu calcanhar e lombar irão te agradecer no final do dia.

Ruas de paralelepípedo na entrada do Vaticano

Ruas de paralelepípedo na entrada do Vaticano

Roma Pass: Não compre! Este bilhete inclui ingressos para todos os museus de Roma + transporte público, a princípio olhando aqui do Brasil parece uma boa opção mas não comprar foi a primeira dica que recebi de uma amiga romana, assim que cheguei na cidade vi que ela estava certa por 02 motivos básicos:

Motivo 1: Admita que você não irá conhecer todos os museus e galerias da cidade em uma curta estadia turística, provavelmente só conseguirá ir nas atrações principais, ou seja, vai pagar caro por museus e galerias que não visitará.

Motivo 2: o transporte público é tão ou até mais caótico que o de São Paulo. Existem poucas linhas de metrô, pois durante a construção encontravam monumentos e locais históricos. Minha dica neste item é: caminhe. As principais atrações não ficam muito distantes,  é totalmente factível caminhar entre os pontos turísticos, a minha impressão é a de que os mapas de Roma não tem uma representação muito fiel a distância real entre as atrações.

Coliseu: meu local predileto de toda a cidade, para os chatos de plantão afirmo que sim sei sobre a sua história sangrenta, mas é um local que estava totalmente atrelado a minha adolescência, foi o primeiro ponto turístico que sonhei em conhecer. A dica para visitar o Coliseu é ir no período da tarde, dica que também daria para o Foro Romano, a maioria das excursões leva centenas de pessoas pela manhã, na verdade os próprios turistas tem essa mania de acordar cedo para ir no local mais famoso da cidade, o resultado desta escolha é visto em forma de filas quilométricas. Chegue umas 3 horas antes do horário de fechamento, no meu caso em meia hora de fila compramos os ingressos e conseguimos aproveitar seu interior com calma, na verdade até calma demais, pois ficamos tão distraídos tirando fotos que não percebemos o alarme indicando o fechamento, eu bem que pensei que havia algo estranho quando estávamos sozinhos tirando fotos no ponto mais concorrido, tomamos uma pequena bronca de uma segurança mas as fotos incríveis e exclusivas lá dentro valeram a pena. Se você estiver um dia a noite de bobeira também vale a pena ir à noite, a iluminação deixa o Coliseu ainda mais impressionante.

Fila de meia hora para entrar no Coliseu

Fila de meia hora para entrar no Coliseu

Praça do Vaticano: as quartas-feiras e aos domingo o papa Francisco (Chiquinho) realiza benção na praça do Vaticano às 12h, sua melhor chance de ver o papa ao vivo. Foi muito emocionante vê-lo na janela acenando, na foto apareceu só um pontinho, mas tem um telão ao vivo que comprova que quem está na janela realmente é o papa.

12h em ponto o papa apareceu para abençoar a multidão

Museu do Vaticano: compre o ingresso com antecedência pela internet! Queria que alguém tivesse me contado isso na primeira vez que visitei o museu, pois ficamos quase 2h30 na fila. Para comprar é simples, basta acessar o site: http://biglietteriamusei.vatican.va/musei/tickets/index.html e reservar a data e horário planejado. Imprima seus ingressos e leve para identificação no guichê de entrada, é importante levar o comprovante impresso pois só o deixarão entrar para pegar os ingressos quando mostrar seu comprovante. Quando chegar na porta do museu você verá 02 indicações: fila para quem comprou na internet e fila para comprar ingresso, neste momento você irá no fundo do seu coração ficar grato por ter lido esta dica neste blog tão bacana. Feito isto boa vista, aproveite! Ah, já ia esquecendo, você pode entrar com alguns itens de comida, se você for como eu que morre de fome depois de 15 minutos andando em museus (sim, não sei o que acontece, a fome aperta nos museus) pode levar uma maça, barrinha, lanchinho ou batatinha, pois é permitido.

Basílica de São Pedro: é impossível não se assustar com as filas na porta da igreja, que diferentemente do Coliseu ocorrem em qualquer horário. Sabe aquele dinheiro que você economizou quando não comprou o Roma Pass? Pois é, chegou a hora de gastá-lo contratando um guia local. Na porta da igreja muitos destes guias oferecem seus serviços, principalmente na fila, você pagará entre 12 e 16 euros para cortar a fila entrando com estes guias, fique tranquilo que não é nenhum processo ilegal, estes guias criam grupos e entram por outra entrada destinada as excursões. Sei que para nós brasileiros, que ganhamos nosso rico dinheirinho em real pode parecer caro, mas você ganhará pelo menos 2h00 que ficaria na fila.

Pelo tamanho deste post você pode ver que Roma é uma cidade cheia de atrações, farei uma continuação, se tiver algo que você quer saber ou se usar uma destas dicas e quiser contar como foi fique à vontade!

Até a próxima Paty Dica

Anúncios

Feliz 2014! Repelente dos espertos..rs…

8 jan

ótimo 2014 para todos!

Espero que tenham tido um excelente período de festas e tudo mais!

Esta dica é curtinha porém muito valiosa para quem quer curtir o verão:

Repelente super eficiente, já sofre muito com o Off em Ilha Bela no ano passado, mas este daqui se provou eficiente e de alta duração.

Até a próxima Paty Dica

Sem picadas!!!

Sem picadas!!!

Shakespeare Globe em Londres

30 mar

Entre tantos passeios e atrações culturais disponíveis em Londres fiquei extremamente encantada com o Shakespeare Globe Theatre.

As margens do Tamisa o teatro tem espetáculos disponíveis durante o dia e também a noite, e conta com um passeio turístico pela estrutura do teatro e fica próximo ao Tate Museum, do mesmo lado da margem.

Em uma visita ao teatro é possível conhecer os figurinos, cenários e detalhes de todas as produções das peças de Shakespeare que passaram pelo local. Infelizmente só conseguimos visitar no nosso último dia de viagem durante a curta visita ao teatro conhecemos um pouco da história. O teatro na verdade não é o globo original pois o original foi destruído por um incêndio,  é uma réplica do teatro da época em que as peças de Shakespeare foram escritas e eram encenadas, em que boa parte do público assistia as peças em pé enquanto a nobreza assistia as peças das laterais, agrupados de acordo com o seu padrão social. Na estrutura atual também são vendidos ingressos mais baratos para quem quer assistir as peças de pé (cuidado, sujeito a pegar chuva, pois para a platéia que fica em pé não há cobertura).

Pena que não vimos um espetáculo

Atores se aquecendo e ensaiando durante a nossa visita

Foi bacana pois o guia do teatro que nos acompanhou é um membro da cia e transmitia muito amor pelo seu trabalho. Enquanto conhecíamos o teatro foi possível ver alguns atores ensaiando e esquentando a voz, fiquei triste por não assistirmos um espetáculo, mas é preciso estar ciente que é impossível fazer tudo o que se deseja em Londres, com a quantidade de opções culturais disponíveis.

Durante a semana e para escolas o ingresso para os espetáculos é super barato, na nossa próxima ida a Londres já está como prioridade.

Não podia sair de lá sem uma lembrancinha, adorei este lápis do Shakespeare!

Não podia sair de lá sem uma lembrancinha, adorei este lápis do Shakespeare!

http://www.shakespearesglobe.com/

Até a próxima Paty dica!

Link

Mafalda – quadrinhos questionadores

18 fev

Quando eu era criança meu pai tinha em casa alguns livrinhos com tirinhas da Mafalda, enquanto eu ainda não sabia ler, e mesmo um pouco depois eu continuei a pintar aquelas estranhas tirinhas em preto e branco, acho que eu confundia com os livros de colorir. O detalhe é que tenho que admitir que desenhos e pinturas com lápis de cor nunca foram o meu forte, então hoje entendo como meus pais devem ter ficado feliz com a minha arte nos livrinhos.

Acredito que aprendi muito com a Mafalda quanto a realizar perguntas auspiciosas, perguntas difíceis são para os fortes de espírito, geralmente é difícil questionarmos a realidade que se apresenta todos os dias frente aos nossos olhos, é difícil ter coragem de se perguntar: Por que?

Mafalda foi criada entre as décadas de 1960 e 1970 pelo argentino Quino e é uma garotinha de 06 anos de idade com muitas perguntas e comentários que até hoje me deixam sem palavras. Simplesmente Mafalda

Em português há uma página no Face que publica quase que diariamente tirinhas> Ver no Face> Toda Mafalda.

Mas como não poderia deixar de ser aproveito para incluir aqui no Paty Dicas as minhas tirinhas prediletas e dizer que sinto realmente falta de ler mais tirinhas inteligentes como estas.

Até a próxima Paty Dica

Em Buenos Aires construiram este banquinho especial com a Mafalda, quando  for a Buenos Aires com certeza passarei por lá :D

Em Buenos Aires construiram este banquinho especial com a Mafalda, quando for a Buenos Aires com certeza passarei por lá 😀

Mafalda forever!

Mafalda forever!

Mafalda 2 Mafalda 3 mafalda 4

200 anos de Orgulho e Preconceito (Pride and Prejudice)

4 fev

Sempre que alguma das minhas amigas me pergunta qual meu livro predileto de romance respondo sem titubear “Orgulho e Preconceito”, afirmo sem medo que é a base de TODOS os demais livros água com açúcar que a maioria das mulheres gostam.

Nem o nome do Mr Darcy a autora do livro modificou, idem para o filme

Nem o nome do Mr Darcy a autora do livro modificou, idem para o filme

Na semana passada a obra “Orgulho e Preconceito” completou 200 anos, e cada vez que releio vejo o quanto continua atual apesar de retratar de forma perfeccionista um retrato da sociedade inglesa da época.

O livro fala sobre a vida da família Bennet, composta por um pai, mãe e 05 filhas e a pressão da mãe para casar suas filhas. A personalidade distinta das irmãs Bennet é algo interessante, visto que na vida real Jane Austen tinha apenas uma irmã, Cassandra. Elizabeth é a protagonista do livro, com sua personalidade forte e um ponto de vista ultrafeminino para a época.

Mapa dos Personagens

Mapa dos Personagens

Vale a pena ler Orgulho e Preconceito e depois assistir ou ler ou as várias versões do livro para o cinema e também em mini-séries.

Como homenagem ao aniversário da obra esta semana postarei outras obras de Jane.

Até a próxima Paty Dica

Primeiro exemplar de Orgulho e Preconceito exibido na casa da Jane Austen

Primeiro exemplar de Orgulho e Preconceito exibido na casa da Jane Austen

Como achar a Abbey Road em Londres

22 jan

Na nossa passagem por Londres em Agosto/2012 estávamos muito ansiosos para conhecer a famosa Abbey Road, cenário de uma das fotos mais populares de todos os tempos. Descobri esta foto do making off da foto recentemente, e lendo a biografia do John Lennon descobri que a foto não foi sequer planejada, eles estavam muito cansados e gravando exaustivamente e ainda precisariam ir para um estúdio tirar fotos, então decidiram sair e tirar esta foto na rua em frente ao estúdio.

sempre eles

making off em frente ao estúdio Abbey Road

Andando de metro visualizamos a estão de metro Abbey Road, e fomos para lá com a certeza de que conseguiríamos tirar a foto, e andamos, andamos andamos pela tal de Abbey Road e nada da faixa, na verdade mais parecia um “Bronks” londrino, até que perguntamos para um casal onde era a faixa e eles, sempre educados nos explicaram que existem duas Abbey Roads e que a outra era mais próxima ao centro.

Fomos para casa cansados e decepcionados e no outro dia descemos na estação correta em St John’s Wood, e conseguimos a ajuda de outros brasileiros que estavam no local para tirar a nossa tão perada foto. Se até os Simpsons podem por que nós não poderíamos? rs

Dica importante: ser educado com os carros, pois ao contrário do que imaginávamos lá não tem semáforo, portanto os simpáticos motoristas londrinos param o carro sempre que alguém se aproxima da faixa, nós ficamos um tempão encostados na parede do estúdio, longe da faixa até conseguimos fotografar no mesmo angulo da capa, em que é preciso que o fotógrafo também fique no meio da rua.

Sim, é clichê e sim foi emocionante!

IMG_4854

Fazendo a pose na Abbey Road com o maridão

album_The-Beatles-Abbey-Simpsons-Road

Simpsons: bart descalço também, estampa de camiseta clichê e bacana

A foto original

A foto original

Até a próxima Dica

Jane Austen House – Chawton Londres

26 set

Na Europa é muito complicado os pontos históricos e ainda vivenciar um pouco da rotina do povo local, a verdade é que sempre falta tempo para ver tudo o que queremos e a vontade de voltar para conhecer mais lugares e costumes é algo que definitivamente não passa.

Em Londres a velocidade da cidade é bem diferente de São Paulo, o povo educado e gentil, parque maravilhosos com esquilos fofinhos e muitos, muitos pontos culturais por toda a cidade.Tantos clássicos da literatura foram criados com Londres como inspiração e os costumes e hábitos do povo inglês como pano de fundo. Ao conhecer Oxford e Cambridge (gostei mais) fica fácil inclusive conhecer a fonte de inspiração de JK Rowling para Hogwarts. Não é a toa que Drácula, Sherlock Holmes e as maravilhosas histórias da Jane Austen tem passagens por esta cidade tão cosmopolita.

Antes de irmos viajar eu já havia determinado que abriria mão de outros passeios para conhecer a casa onde a Jane Austen viveu e escreveu seus principais romances.

Museu em Chawton

Este foi um dos passeios mais especiais da viagem, a casa fica em Auston, a 1 hora de trem de Londres, quando chegamos na cidade e olhamos o mapa do ponto turístico vimos que a cidade era composta de casinhas muito meigas e de uma avenida principal e que teríamos que pegar um ônibus para chegar a Chawton, paramos uma moradora do local para perguntarmos sobre o ônibus e ela ficou em dúvida então o que ela fez? Nos deu carona até o museu no seu carro para que pudéssemos chegar antes e aproveitar mais o passeio! Uma simpatia só, ainda deu dicas sobre visitarmos a igreja onde ela estava enterrada.

Até chegarmos na casa eu imaginava que o centro da cidade seria ao redor da casa, que teriam muitas lojinhas ao redor vendendo tudo relacionado a autora e as obras , mas fiquei muito feliz quando vi que eu estava enganada, ao redor da casa ainda existem cottages e o caminho da casa para a igreja do vilarejo se mantém praticamente inalterado a 200 anos, com um pasto verdinho e cheio de ovelhas, bucólico e surpreendente.

Dentro da casa além de objetos pessoais de Jane e sua família também valeu a pena aproveitar o jardim!

Quem é fã da autora como eu e for para Londres não pode perder este passeio.

Até a próxima Paty Dica!

%d blogueiros gostam disto: